Enterro em Cuba (anedota)

 

Em Cuba, toda a fam√≠lia se surpreendeu quando chegou de Miami o caix√£o com o cad√°ver de uma tia muito querida. O corpo estava t√£o apertado no caix√£o que o rosto parecia colado no visor de cristal …. Quando abriram este, ¬†encontraram uma carta presa na roupa com um alfinete, que dizia assim : “Queridos pais: ¬†Estou enviando os restos de tia Josefa para que fa√ßam o seu enterro a√≠ em Cuba, como era seu desejo. Tenho muita pena de n√£o poder acompanh√°-la, mas voc√™s compreender√£o que tive muitos gastos com todas as coisas que vos envio. Dentro do caix√£o, por baixo do corpo, v√£o encontrar o seguinte : – 12 latas de atum Bumble Bee – 12 frascos de condicionador – 12 de shampoo Paul Mitchell – 12 frascos de Vaselina Intensive Care(muito boa para a pele. Mas n√£o serve para cozinhar !!! ) – 12 tubos de pasta de dentes Crest – 12 escovas de dentes – 4 latas de chouri√ßo El Mi√Īo. Repartam sem brigas com a fam√≠lia !!! Nos p√©s de tia est√£o um par de t√©nis Reebok novos, tamanho 39, para o Joselito (desta vez √© para ele, pois com o cad√°ver do tio n√£o se mandou nada para ele, e ele ficou amuado). A tia est√° vestida com 10 camisolas Ralph Lauren. Uma √© para o Pepito e os demais para os seus filhos e netos. Leva tamb√©m 12 soutiens Wonder Bra para dividirem entre as mulheres. V√£o tamb√©m 20 vernizes de unhas Revlon que est√£o nos cantos do caix√£o. As tr√™s dezenas de calcinhas Victoria’s Secret devem ser repartidas entre as minhas sobrinhas e primas. A tia tamb√©m est√° vestida com nove cal√ßas Docker’s e 3 jeans Lee. Pai, fique com 3 e as outras s√£o para os meninos. O rel√≥gio su√≠√ßo que o pai me pediu est√° no pulso esquerdo da tia. Ela amb√©m leva tudo o que a M√£e pediu – pulseiras, an√©is, etc. O colar que tia tem posto √© para a prima Rebeca, e tamb√©m os an√©is que ela tem nos p√©s. Os oito pares de meias Chanel que ela veste s√£o para repartir entre as conhecidas e amigas ou, se quiserem, para as vender. Mas por favor, n√£o briguem por causa destas coisas. A dentadura que pusemos na tia √© para o Av√ī, que apesar de n√£o ter muito que mastigar, com ela sempre se dar√° melhor (que ele a use, custou caro). Os √≥culos bifocais s√£o para o Alfredito, pois s√£o do mesmo grau que ele precisa. Os aparelhos para surdez que ela tem nos ouvidos s√£o para a Carola. N√£o s√£o exatamente aqueles de que ela necessita, mas que os use mesmo assim, porque s√£o car√≠ssimos! Os olhos da tia n√£o s√£o os dela, s√£o de vidro. Tirem-nos e nas √≥rbitas v√£o encontrar a corrente de ouro para o Gustavo e o anel de brilhantes para o casamento da Katiuska. A peruca platinada, com reflexos dourados, que a tia usa tamb√©m √© para a Katiuska, que vai brilhar, linda, no seu casamento !!! Com amor, vossa filha Carmencita. PS 1 ¬†– ¬† Por favor arranjem uma roupinha decente para vestir a tia para o enterro e mandem rezar uma missa pelo descanso de sua alma, pois realmente ela ajudou, mesmo depois de morta. Como voc√™s repararam o caix√£o √© de madeira boa (n√£o entra caruncho). Podem desmont√°-lo e fazer os p√©s da cama da m√£e e outros consertos em casa. O vidro do caix√£o serve para fazer uma moldura para a fotografia da Av√≥ que est√°, h√° anos, a precisar de uma nova. Com o forro do caix√£o, que √© de cetim branco (US$ 20,99 o metro), a Katiuska pode fazer o seu vestido de noiva. Na alegria destes presentes, n√£o esque√ßam de vestir a tia para o enterro ! ! ! PS 2 ¬†– ¬†Com o desgosto da morte de tia Josefa, a tia Bianca ficou doente. Fa√ßam os pedidos com modera√ß√£o ! Bicicletas n√£o cabem nem desmontadas e de carburador de Niva, modelo 1968, aqui ningu√©m ouviu falar !!! Com amor, Carmencita.

 

Aviso sobre Produtos Chineses

LER AT√Č O FIM √Č MUITO IMPORTANTE PARA NOSSA SA√öDE E A DOS SEUS FAMILIARES

 

Talvez seja importante conhecer um pouco o que se passa sobre este tema da “MELAMINA” na alimenta√ß√£o

 

Aviso sobre Produtos Chineses

 

1. O que é realmente o leite envenenado de que se ouve falar?

√Č o leite em p√≥, misturado com Melamina

A Melamina é um químico industrial usado na produção de plásticos.

Tamb√©m √© utilizado em materiais de decora√ß√£o. “US resistant board”

A Melamina é usada na produção industrial e não pode ser ingerida.

 

2. Porque é que adicionam Melamina no leite em pó?

O mais importante nutriente do leite é a proteína, e a Melamina tem a mesma proteína que contem Nitrogénio.

Ao adicionar-se Melamina ao leite, reduz-se a quantidade de leite e fica mais barato, e assim diminuem os custos de produção e aumentam o lucro.

A foto abaixo mostra a Melamina Рnão é semelhante ao leite?

√Č inodora, pelo que n√£o pode ser detectada.

 

3. Quando se descobriu a sua adição na alimentação?

Em 2007, nos Estados Unidos, cães e gatos começaram a morrer subitamente, e descobriram que a comida para animais fabricada na China continha Melamina.

No início de 2008, na China, houve um aumento anormal de casos de crianças com pedras nos rins.

Em Agosto de 2008, o leite em pó chinês Sanlu acusou Melamina.

Em Setembro de 2008, o governo da Nova Zel√Ęndia solicitou √† China que verificasse este problema.

A 21 de Setembro de 2008, muitos produtos alimentares acusaram Melamina, em Taiwan.

 

4. O que acontece quando a Melamina é digerida?

A Melamina permanece nos rins, formando pedras que bloqueiam o seu funcionamento.

A dor instala-se, a pessoa n√£o consegue urinar e os rins incham.

Embora as pedras nos rins possam ser eliminadas cirurgicamente, a Melamina pode causar danos irreversíveis nos rins. Pode levar à perda da função renal e implicar diálise diária ou levar à morte por uremia.

O que √© a di√°lise? √Č uma “lavagem ao sangue”, √© a filtragem de todo o sangue por uma m√°quina, voltando depois ao corpo.

O processo de diálise demora quarto horas e é necessário fazê-la de 3 em 3 dias para o resto da vida.

A imagem mostra um centro de di√°lise

Outro centro de di√°lise

√Č necess√°rio um orif√≠cio no bra√ßo para inserir o cateter.

Porque é que é mais grave nos bebés? Porque os rins são muito pequenos e os bebés bebem muito leite em pó.

Bebé fazendo diálise.

Actualmente estão cerca de 13.000 crianças hospitalizadas na China

N√£o interessa quanta Melamina √© ingerida, o importante √© que N√āO seja ingerida.

 

5.Quais os alimentos a evitar?

Lacticínios ou alimentos que os contenham devem ser evitados.

6. Que empresas est√£o a ser afectadas?

Abaixo as empresas afectadas com Melamina.

 

7. O que fazer?

Evite os produtos abaixo por seis meses, pelo menos.

Se tem um snack bar, café ou restaurante, não venda lacticínios por enquanto.

Se tem crianças, mude para leite materno ou encontre outros substitutos.

 

Finalmente, divulgue esta informação, para que as pessoas conheçam os riscos de envenenamento por Melamina no leite.

 

O mundo está apreensivo com os produtos fabricados no mercado negro chinês.

 

Como se diferenciam os produtos chineses dos feitos noutros países?

Os primeiros 3 dígitos do código de barras indicam o país onde foram feitos.

Exemplo Рtodos os códigos de barras que se iniciem por 690, 691, 692 até 695 são Made in China, e os que começam por 471 são Made in Taiwan.

Actualmente, os fabricantes chineses sabem que os consumidores est√£o a evitar os produtos “made in China”, pelo que est√£o a esconder de onde v√™m os produtos.

Contudo, pode utilizar a referência dos códigos de barras.

Lembre-se, se os 3 primeiros dígitos são entre o 690 e o 695, o produto foi feito na China.

 

Oferta de Emprego

An√ļncio no jornal:

Somos um restaurante¬†casual no centro da cidade e estamos √† procura de m√ļsicos para tocarem de gra√ßa no nosso restaurante, podendo assim promover a sua m√ļsica e vender os seus CDs. Este n√£o √© um emprego di√°rio, √© apenas¬†para eventos especiais que eventualmente se tornar√£o eventos di√°rios uma vez que a resposta do p√ļblico seja positiva. Preferimos que toquem Jazz, Rock, e outros ritmos mais leves, de todo o mundo e de v√°rias culturas. Est√° interessado em promover o seu trabalho? Ent√£o comunique connosco o mais r√°pido poss√≠vel.

  Resposta de um candidato:

Sou um m√ļsico,¬†√† procura de um dono de restaurante que venha a minha casa promover o seu restaurante ao fazer comida de gra√ßa para mim e para os meus amigos. Isto n√£o aconteceria diariamente, mas a princ√≠pio em eventos especiais, os quais poder√£o eventualmente crescer e tornar-se em algo grande e di√°rio, se a resposta for positiva. Damos prefer√™ncia a¬†carnes¬†de primeira e peixes frescos pescados na nossa costa. Voc√™ est√° interessado em promover o seu restaurante? Ent√£o comunique comigo urgentemente!

NOVO C√≥digo da Estrada JA ESTE DOMINGO MUITA ATEN√á√ÉO

NOVO C√≥digo da Estrada – J√Ā ESTE DOMINGO MUITA ATEN√á√ÉO

 

 

BICICLETAS PASSA A TER PRIORIDADE NAS ROTUNDAS

 

Atualiza√ß√Ķes no C√≥digo da Estrada em Portugal

VAI ENTRAR EM VIGOR EM JULHO !

 

MUITO IMPORTANTE

As altera√ß√Ķes ao c√≥digo da estrada abaixo identificadas entraram em vigor. Por isso, a partir deste fim-de-semana, h√° que parar em todos os STOP, nada de andar de trotinete em cima dos passeios, e retirar a placa de ‘procuro novo dono’ do autom√≥vel.

Atenção ao pagamento imediato das coimas (bem como das atrasadas).

 

VELOCIDADE

Sempre que exista grande intensidade de tr√Ęnsito, o condutor deve circular com velocidade especialmente moderada. Caso n√£o o fa√ßa cometer√° uma contraordena√ß√£o grave. ( Art.¬ļs 25.¬ļ e 145.¬ļ )

  • A velocidade m√≠nima nas auto-estradas passa de 40 para 50 km/h . (Art.¬ļ¬† 27.¬ļ )
  • A san√ß√£o pelo excesso de velocidade √© agravada e distinta quando ocorra dentro ou fora da localidade.
  • Assim:

Automóveis ligeiros, motociclos

 

 

 

 

 

Excesso de velocidade

Coima

Contra-Ordenação

 

 

 

 

Dentro das Localidades

Até 20 km/h

60 a 300 euros

Leve

20 a 40 km/h

120 a 600 euros

Grave

40 a 60 km/h

300 a 1.500 euros

Muito Grave

Mais de 60 km/h

500 a 2.500 euros

Muito Grave

 

 

 

 

Fora

das Localidades

Até 30 km/h

60 a 300 euros

Leve

30 a 60 km/h

120 a 600 euros

Grave

60 a 80 km/h

300 a 1.500 euros

Muito Grave

Mais de 80 km/h

500 a 2.500 euros

Muito Grave

 

 

Automóveis pesados

 

 

 

 

 

Excesso de velocidade

Coima

Contra-Ordenação

 

 

 

 

Dentro

das

Localidades

Até 10 km/h

60 a 300 euros

Leve

10 a 20 km/h

120 a 600 euros

Grave

20 a 40 km/h

300 a 1.500 euros

Muito Grave

Mais de 40 km/h

500 a 2.500 euros

Muito Grave

 

 

 

 

Fora das Localidades

Até 20 km/h

60 a 300 euros

Leve

20 a 40 km/h

120 a 600 euros

Grave

40 a 60 km/h

300 a 1.500 euros

Muito Grave

Mais de 60 km/h

500 a 2.500 euros

Muito Gra

 

PLACAS COLOCADAS NO EIXO DA FAIXA DE RODAGEM

  • Para efeitos de mudan√ßa de direc√ß√£o deixa de existir o conceito de placa de forma triangular. Assim, qualquer placa situada no eixo da faixa de rodagem deve ser contornada pela direita. Contudo, se estas se encontrarem numa via de sentido √ļnico, ou na parte da faixa de rodagem afecta a um s√≥ sentido, podem ser contornadas pela esquerda ou pela direita, conforme for mais conveniente. ( Art.¬ļ 16.¬ļ )

 

ROTUNDAS

  • Nas rotundas, situadas dentro ou fora das localidades, o condutor deve escolher a via de tr√Ęnsito mais conveniente ao seu destino. ( Art.¬ļ 14.¬ļ )
  • Os condutores de ve√≠culos a motor que pretendam entrar numa rotunda passam a ter de ceder a passagem aos condutores de veloc√≠pedes, de ve√≠culos de trac√ß√£o animal e de animais que nela circulem. ( Art.¬ļs 31.¬ļ e 32.¬ļ )
  • Os condutores que circulam nas rotundas deixam de estar obrigados a ceder passagem aos el√©ctricos que nelas pretendam entrar. ( Art.¬ļ 32.¬ļ )
  • Passa a ser proibido parar ou estacionar menos de 5 metros , para um e outro lado, das rotundas e no interior das mesmas. ( Art.¬ļ 49.¬ļ )

ULTRAPASSAGEM

  • A ultrapassagem de ve√≠culo pelo lado direito passa a ser sancionada com coima de 250 a 1.250 euros. ( Art.¬ļ 36.¬ļ )

PARAGEM E ESTACIONAMENTO

  • Passa a ser proibido parar e estacionar a menos de 25 metros antes e 5 metros depois dos sinais de paragem dos ve√≠culos de transporte colectivo de passageiros¬† – autocarros. ( Art.¬ļ 49.¬ļ )
  • Passa a ser proibido parar e estacionar a menos de 6 metros antes dos sinais de paragem dos ve√≠culos de transporte colectivo de passageiros que circulem sobre carris – el√©ctricos. ( Art.¬ļ 49.¬ļ )
  • O estacionamento de ve√≠culos ostentando qualquer informa√ß√£o com vista √† sua transac√ß√£o (ex: vende-se, procuro novo dono, n.¬ļ de telem√≥vel, entre outros), √© proibido e considerado abusivo, pelo que este ser√° rebocado. ( Art.¬ļs 50.¬ļ e 163.¬ļ )
  • A paragem e o estacionamento nas passagens assinaladas para a travessia de pe√Ķes (passadeiras) passa a ser considerado contra-ordena√ß√£o grave. ( Art.¬ļ 145.¬ļ )

TRANSPORTE DE CRIANÇAS

  • As crian√ßas com menos de 12 anos de idade e menos de 150 cm de altura devem ser transportadas sempre no banco de tr√°s e s√£o obrigadas a utilizar sistemas de reten√ß√£o adequados ao seu tamanho e peso – cadeirinhas. ( Art.¬ļ 55.¬ļ )
  • √Č permitido o transporte de crian√ßas com menos de 3 anos no banco da frente desde que se utilize sistema de reten√ß√£o virado para a retaguarda e o airbag do lado do passageiro se encontre desactivado. ( Art.¬ļ 55.¬ļ )
  • Nos autom√≥veis que n√£o estejam equipados com cintos de seguran√ßa √© proibido o transporte de crian√ßas com menos de 3 anos. ( Art.¬ļ 55.¬ļ )
  • A infrac√ß√£o a qualquer das disposi√ß√Ķes referidas nos pontos anteriores √© sancionada com coima de 120 a 600 euros por cada crian√ßa transportada indevidamente. ( Art.¬ļ 55.¬ļ )
  • O transporte de menores ou ininput√°veis sem cinto de seguran√ßa passa a ser considerado contra-ordena√ß√£o grave. ( Art.¬ļ 145.¬ļ )

ARREMESSO DE OBJECTOS PARA O EXTERIOR DO VE√ćCULO

  • O arremesso de qualquer objecto para o exterior do ve√≠culo passa a ser sancionado com coima de 60 a 300 euros. ( Art.¬ļ 79.¬ļ ) – Aten√ß√£o √†s beatas, charutos e outros cigarros que devem ser apagados nos respectivos cinzeiros dos carros

 

TROTINETAS COM MOTOR

 

Os condutores de trotinetas com motor, um brinquedo que hoje se adquire em qualquer supermercado, t√™m de usar capacete devidamente ajustado e apertado. ( Art.¬ļ 82.¬ļ )

  • O tr√Ęnsito destes ve√≠culos n√£o √© equiparado ao tr√Ęnsito de pe√Ķes, pelo que n√£o podem circular nos passeios. ( Art.¬ļ 104.¬ļ )
  • Para as restantes disposi√ß√Ķes do C√≥digo da Estrada, estes ve√≠culos s√£o equiparados a veloc√≠pedes. (Art.¬ļ¬† 112.¬ļ )

USO DE TELEM√ďVEL DURANTE A CONDU√á√ÉO

  • A utiliza√ß√£o de telem√≥vel durante a condu√ß√£o, s√≥ √© permitida se for utilizado auricular ou sistema alta voz que n√£o implique manuseamento continuado. A infrac√ß√£o a esta disposi√ß√£o √© sancionada com coima de 120 a 600 euros e passa a ser considerada contra-ordena√ß√£o grave. ( Art.¬ļs 84.¬ļ e 145.¬ļ )

 

TRI√āNGULO DE PR√Č-SINALIZA√á√ÉO E COLETE RETRORREFLECTOR

  • Passa a ser obrigat√≥rio colocar o tri√Ęngulo de pr√©-sinaliza√ß√£o de perigo (a pelo menos 30 metros do ve√≠culo, de forma a ser vis√≠vel a, pelo menos, 100 metros ) sempre que o ve√≠culo fique imobilizado na faixa de rodagem ou na berma ou nestas tenha deixado cair carga. ( Art.¬ļ 88.¬ļ )
  • Todos os ve√≠culos a motor (excepto os de 2 ou 3 rodas, os motocultivadores e os quadriciclos sem caixa) t√™m de estar equipados com um colecte retrorreflector, de modelo aprovado. ( Art.¬ļ 88.¬ļ )
  • Nas situa√ß√Ķes em que √© obrigat√≥rio o uso do sinal de pr√©-sinaliza√ß√£o de perigo, quem proceder √† sua coloca√ß√£o, √† repara√ß√£o do ve√≠culo ou √† remo√ß√£o da carga deve utilizar colete retrorreflector. A n√£o utiliza√ß√£o do colete √© sancionada com coima de 120 a 600 euros. ( Art.¬ļ 88.¬ļ )

OUTRAS ALTERA√á√ēES

  • N√£o parar perante o sinal de STOP, ou perante a luz vermelha de regula√ß√£o do tr√Ęnsito ou o desrespeito da obriga√ß√£o de parar imposta pelos agentes fiscalizadores ou reguladores do tr√Ęnsito, passa a ser considerada contra-ordena√ß√£o muito grave. ( Art.¬ļ 146.¬ļ )
  • Pisar ou transpor uma linha longitudinal cont√≠nua que separa os sentidos de tr√Ęnsito passa a ser considerada contra-ordena√ß√£o muito grave. ( Art.¬ļ 146.¬ļ )
  • A condu√ß√£o sob influ√™ncia do √°lcool, considerada em relat√≥rio m√©dico, passa a ser considerada contra-ordena√ß√£o muito grave. ( Art.¬ļ 146.¬ļ )

CLASSIFICA√á√ÉO DE VE√ćCULOS

  • Passa a haver as categorias de triciclos e de veloc√≠pedes com motor. Para efeitos de circula√ß√£o, os veloc√≠pedes com motor s√£o equiparados a veloc√≠pedes. ( Art.¬ļs 107.¬ļ e 112.¬ļ )
  • Os quadriciclos passam a ser distinguidos entre ligeiros e pesados. A condu√ß√£o destes ve√≠culos passa a ficar dependente da titularidade de carta de condu√ß√£o. ( Art.¬ļ.s 107.¬ļ e 123.¬ļ )

TRANSFORMA√á√ÉO DE VE√ćCULOS (TUNING)

  • √Č proibido o tr√Ęnsito de ve√≠culos sem os sistemas, componentes ou acess√≥rios com que foi aprovado, que utilize sistemas, componentes ou acess√≥rios n√£o aprovados, que tenha sido objecto de transforma√ß√£o n√£o aprovada. As autoridades de fiscaliza√ß√£o do tr√Ęnsito, ou seus agentes, podem proceder √† apreens√£o do ve√≠culo at√© que este seja aprovado em inspec√ß√£o extraordin√°ria, sendo o propriet√°rio sancionado com coima de 250 a 1.250 euros. (Art.¬ļs 114.¬ļ, 115.¬ļ e 162.¬ļ )

 

INSPEC√á√ēES

 

Passam a realizar-se inspec√ß√Ķes para verifica√ß√£o das caracter√≠sticas ap√≥s acidente e inspec√ß√Ķes na via p√ļblica para verifica√ß√£o das condi√ß√Ķes de manuten√ß√£o. ( Art.¬ļ 116.¬ļ

REGIME PROBAT√ďRIO DA CARTA DE CONDU√á√ÉO

  • A carta de condu√ß√£o, emitida a favor de quem n√£o se encontrava habilitado, passa a ser provis√≥ria pelo per√≠odo de tr√™s anos. ( Art.¬ļ 122.¬ļ )
  • Acresce que os titulares de carta de condu√ß√£o das subcategorias A1 e/ou B1 voltam a estar sujeitos ao regime probat√≥rio quando obtiverem as categorias A e/ou B. Ou seja, nestas situa√ß√Ķes, a carta de condu√ß√£o √© provis√≥ria duas vezes. ( Art.¬ļ 122.¬ļ )
  • A carta de condu√ß√£o provis√≥ria caduca se o seu titular for condenado pela pr√°tica de um crime rodovi√°rio, de uma contra-ordena√ß√£o muito grave ou de duas contra-ordena√ß√Ķes graves. ( Art.¬ļ 130.¬ļ )
  • Os ve√≠culos conduzidos por titulares de carta de condu√ß√£o provis√≥ria t√™m de ostentar √† retaguarda um d√≠stico (‘ovo estrelado’) de modelo a definir em regulamento. ( Art.¬ļ 122.¬ļ )

SUBCATEGORIAS DE VE√ćCULOS

  • S√£o criadas as subcategorias B1, C1, C1+E, D1 e D1+E. Trata-se de ve√≠culos da mesma esp√©cie, mas de dimens√Ķes mais reduzidas. ( Art.¬ļ 123.¬ļ )
  • N√£o existe preced√™ncia de habilita√ß√Ķes, ou seja, n√£o √© necess√°rio estar habilitado para a subcategoria C1 para obter a categoria C.

REQUISITOS PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CONDUÇÃO

NOVOS EXAMES

  • Os condutores detectados a circularem em contram√£o nas auto-estradas ou vias equiparadas, bem como aqueles que sejam considerados dependentes de √°lcool ou drogas, ser√£o submetidos a novos exames – m√©dicos, psicol√≥gicos ou de condu√ß√£o. ( Art.¬ļ 129.¬ļ )

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL

  • A circula√ß√£o de ve√≠culo sem seguro de responsabilidade civil passa a ser sancionada com coima de 500 a 2.500 euros e a ser considerada contra-ordena√ß√£o grave (aplicada ao propriet√°rio do ve√≠culo). O ve√≠culo √© apreendido pelas autoridades de fiscaliza√ß√£o do tr√Ęnsito ou seus agentes. ( Art.¬ļs 145.¬ļ, 150.¬ļ e 162.¬ļ )

 

PAGAMENTO VOLUNT√ĀRIO DA COIMA

  • O pagamento volunt√°rio da coima passa a ser efectuado no acto da verifica√ß√£o da contra-ordena√ß√£o, ou seja, o condutor ter√° de pagar a coima (pelo valor m√≠nimo) ao agente que detecta a infrac√ß√£o e levanta o auto. ( Art.¬ļ 173.¬ļ )
  • Se o condutor n√£o pretender efectuar o pagamento volunt√°rio imediato da coima, deve prestar dep√≥sito, tamb√©m imediatamente, de valor igual ao m√≠nimo da coima prevista para a contra-ordena√ß√£o praticada. Esse valor ser√° devolvido se n√£o houver lugar a condena√ß√£o. ( Art.¬ļ 173.¬ļ )
  • Se o infractor n√£o pagar a coima no momento, ou se n√£o efectuar o dep√≥sito referido, o agente de autoridade apreende o t√≠tulo de condu√ß√£o, ou os t√≠tulos de identifica√ß√£o do ve√≠culo e de registo de propriedade, e emite uma guia de substitui√ß√£o, v√°lida pelo tempo julgado necess√°rio, e renov√°vel at√© √† conclus√£o do processo. Quando efectuar o pagamento, os documentos ser√£o devolvidos ao condutor.

Esclarecimento da Ex-DGV:

Tendo em conta as disposi√ß√Ķes aplic√°veis do C√≥digo da Estrada, na redac√ß√£o que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei n¬ļ 44/2005, de 23 de Fevereiro, constantes dos art¬ļs 13¬ļ, n¬ļ 1; 14¬ļ, n¬ļs 1 a 3; 15¬ļ, n¬ļ 1; 16¬ļ,¬† n¬ļ 1; 21¬ļ; 25¬ļ; 31¬ļ, n¬ļ 1, c) e 43¬ļ e as defini√ß√Ķes referidas no art¬ļ 1¬ļ do mesmo C√≥digo, na circula√ß√£o em rotundas os condutores devem adoptar o seguinte comportamento:

1- O condutor que pretende tomar a primeira saída da rotunda deve:

Ocupar, dentro da rotunda, a via da direita, sinalizando antecipadamente quando pretende sair.

 

2 РSe pretender tomar qualquer das outras saídas deve:

  • Ocupar, dentro da rotunda, a via de tr√Ęnsito mais adequada em fun√ß√£o da sa√≠da que vai utilizar (2¬™ sa√≠da = 2¬™ via; 3¬™ sa√≠da= 3¬™ via);
  • Aproximar-se progressivamente da via da direita;
  • Fazer sinal para a direita depois de passar a sa√≠da imediatamente anterior √† que pretende uitilizar;
  • Mudar para a via de tr√Ęnsito da direita antes da sa√≠da, sinalizando antecipadamente quando for sair.